/De olho no mercado

Diretora de Investimentos da Prevcom conta como foi junho de 2022

15/07/2022 10:30

Imagem interna

Fran Nascimento tem MBA em Finanças pelo Insper e mais de 25 anos de experiência no mercado financeiro. Saiba mais aqui.

A diretora de Investimentos da Prevcom, Fran Nascimento, traça o panorama de como os mercados se comportaram em junho de 2022.

Ao longo do mês de junho, o mercado sofreu com a alta volatilidade nas principais bolsas e uma escalada de juros global, influenciado principalmente pelo temor de que o Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, precise elevar os juros rapidamente para conter a inflação norte-americana e que esse aperto monetário muito forte acabe desencadeando uma recessão no país e contaminando toda a economia global.

• Nos EUA, o FED acelerou o ritmo do aumento de juros e aumentou a taxa em 0,75. Os juros passam a oscilar entre 1.50% e 1.75% ao ano;

• O Banco Central Europeu deve iniciar o ciclo de alta de juros básicos em 0,25 na próxima reunião de 21 de julho e deve seguir aumentando na próxima reunião em setembro, para conter a inflação que atualmente atinge níveis recordes.

No Brasil, o Banco Central elevou a taxa Selic em 0,50, passando para 13,25% ao ano. A alta deve continuar em função da preocupação com inflação, aprovação da PEC que eleva programas de auxílios sociais já existentes, além de criar outros benefícios, ampliando significativamente os gastos públicos e crescente deterioração do ambiente externo, com revisões negativas de crescimento global e persistentes pressões inflacionárias.

O dólar fechou o mês de junho a R$5,23 com +10,15%, a maior alta desde março de 2020, quando o mercado financeiro sentiu os primeiros impactos causados pela pandemia.

A Bolsa Brasileira operou durante todo o mês em alta volatilidade e fechou junho em queda de -11,5%, 98.542 pontos, acumulando uma perda no ano de 5,9%.

A inflação de junho representada pelo índice IPCA ficou em 0,67%, acumulando 5,48% no ano. Esse resultado foi puxado principalmente pelo preço de alimentos, bebidas, vestuário e planos de saúde.

O cenário de incertezas, somado à tendência de continuidade do aumento nas taxas de juros, inflação persistente e aproximação das eleições, segue influenciando os investidores a serem mais cautelosos e a optarem por maior concentração em títulos do tesouro ou outros produtos financeiros indexados à Selic/CDI.

 

Oportunidade:

> Bom retorno real para estratégias pós-fixadas, considerando Selic elevada; 

> Crescimento de emissão de papeis de bancos e empresas indexados a CDI+ taxa de juros.

 

Fundação de Previdência Complementar do Estado de São Paulo

Avenida Brigadeiro Luís Antônio, 2701 - Jardim Paulista, São Paulo/SP - 01401-000

Atendimento ao participante

(11) 3150-1943/1944 (Grande SP)

0800-761-9999 (demais localidades)

segundas às sextas-feiras, das 10h às 16h

Atendimento ao patrocinador

(11) 3150-1977

segundas às sextas-feiras, das 10h às 16h

Atendimento presencial

Segundas às sextas-feiras, das 10h às 16h, somente na sede da fundação

Se preferir, envie-nos um email

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos termos de uso e política de privacidade. Ao continuar navegando, você declara estar ciente destas condições.

Posso ajudar?
;